Como fazer uma revisão bibliográfica

Deveria ter sido meu primeiro post, uma vez que considero o ponto de partida de qualquer trabalho científico. Entretanto, como guiei os posts para atender às necessidades que chegavam até mim, acabei deixando a revisão bibliográfica de lado até agora. Então, vejamos alguns passos que considero importantes.

Primeiro, encontre fontes de informação confiáveis. Apesar de usarmos mecanismos de busca para encontrar qualquer tipo de informação, nem todo resultado pode ser usado em um trabalho científico. Wikis também não costumam ser referências válidas, uma vez que a facilidade de modificá-las pode tornar a informação contida nelas menos relevante. Porém, tenho uma dica: se você encontrar algo em uma Wiki e que gostaria de citar, veja as referências, no final do artigo. Quando a referência da parte desejada for um artigo científico, uma patente, um livro, um site do desenvolvedor do software que você usa, ou outra fonte relevante, leia e, se corresponder ao que diz a Wiki, cite a obra original. Evite usar, como fonte de referências, notícias, sites não-oficiais e até mesmo posts em blogs. Além disso, para conseguir acesso a artigos científicos, pode ser necessário assinar uma revista científica ou ter participado de um congresso na área de interesse. Entretanto, usando o Google Scholar, você pode encontrar várias referências disponibilizadas por universidades, professores, pesquisadores e alunos. E, se encontrar uma referência à qual não tenha acesso, você pode solicitar a compra dela à sua faculdade ou universidade, que geralmente assina diversas revistas científicas. Ainda, se tiver acesso às revistas pagas, considero o IEEE Xplore Digital Library um dos melhores repositórios de artigos, englobando as revistas mais conceituadas e recentes na área de engenharia e computação.

Depois, procure pelas palavras-chave que você precisa e comece a filtrar os resultados pelos abstracts ou resumos, que, geralmente, são acessíveis mesmo para artigos pagos. Então, anote a referência daqueles que julgar interessantes (você pode usar o próprio Microsoft Word para isso, como expliquei em um post anterior). Não se preocupe, por enquanto, se está encontrando realmente os melhores artigos. Como você pode ainda não ser especialista no assunto que busca, o processo de seleção dos artigos melhorará com o tempo, na medida em que você avança com o trabalho. Sempre que possível, salve a obra de referência no seu computador, para poder estudá-la mais tarde mesmo se não tiver acesso à Internet. E, se julgar que realmente precisa de uma referência paga depois de ter lido seu abstract, anote sua referência e tente consegui-la com seu professor ou com a biblioteca.

Digamos que, depois dos dois primeiros passos, você tenha conseguido uma lista de várias obras interessantes. Enquanto tenta adquirir as que forem pagas, você pode começar a ler rapidamente aquelas a que tiver acesso, descartando as que não forem tão relevantes quanto você havia pensado. Uma vez que você se baseou, inicialmente, apenas no abstract, algumas delas podem se revelar não tão interessantes ou com um foco que não ajuda no seu trabalho. Ao mesmo tempo, você pode começar a separar as que forem descartadas em outra pasta. Dependendo do número de referências, seu trabalho pode começar a ficar mais difícil nesse passo, mas em um post futuro mostrarei algumas ferramentas para ajudá-lo.

Pois bem, agora com uma lista menor e mais manipulável, você pode começar a fichar as referências. Fichá-las significa ler com atenção, destacar frases principais e criar um documento onde você tenha rápido acesso ao título, autores, ideias principais, ferramentas utilizadas e aos pensamentos que você teve enquanto lia a obra. As ferramentas que discutirei no futuro também poderão facilitar esse passo, mas um documento à mão (alguém, além de mim, ainda usa lápis e papel?) ou no Word já são o suficiente para começar. Então, assim que você terminar esse passo, o assunto sobre o qual você se prepara para escrever estará muito mais claro e as palavras começarão a borbulhar em sua mente, ansiosas por formarem uma obra-prima na tela do seu computador.

Finalmente, você está pronto para começar a sua revisão bibliográfica. Depois de ter identificado um problema que deseja atacar, você pode discorrer sobre como os trabalhos que você reuniu o fazem e analisar seus pontos fortes e fracos. Tente criar categorias para as referências e tente conectá-las o melhor possível para que a revisão não fique como uma colcha de retalhos. Se você apenas resumir os trabalhos mecanicamente, o resultado será um texto maçante e desconexo. Esforce-se para encontrar formas de contar uma história daquilo que há de mais novo na área em que você está pesquisando e, no final, diga como você vai contribuir com o conhecimento que reuniu.

Sobre qual parte de um trabalho científico você gostaria que eu falasse no próximo post? Deixe um comentário para que eu possa servir melhor aos seus interesses!

Anúncios

2 comentários sobre “Como fazer uma revisão bibliográfica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s